sexta-feira, 28 de junho de 2013

Resenha do filme: O pianista

Postado por Priscila Kuller Clemente às 20:28
Acabei de assistir O pianista, havia muito tempo que eu queria terminar de vê-lo, porque comecei assistir ele na escola acho que na 8ª série, imagine kkk, e nunca mais terminei, por preguiça mesmo, mas valeu muito a pena, já deveria ter visto e revisto muitas vezes, porque realmente ele é ótimo. É um filme forte, pois conta como que eram tratados os judeus na Segunda Guerra Mundial, todo o sofrimento das famílias que não sabiam o que as esperavam, e cada dia que passava, tinham menos certeza que sobreviveriam. 

Resumo 

Ele conta a história do pianista Wladyslaw Szpilman, que morava em Varsóvia na Polônia, com sua família. Naquela época, os judeus foram obrigados a usar uma faixa branca no braço com a estrela de David estampada em azul para serem identificados facilmente nas ruas, eles não podiam andar nas calçadas com o resto da população não judia, nem frequentar parques, restaurantes e até mesmo os banheiros públicos que eles usavam não eram frequentados pelos alemães, que os consideravam um "povo sujo". Szpilman e os demais judeus de Varsóvia, são levados para um bairro separado do resto da população, onde passam necessidades, e há pessoas nas ruas doentes, quase mortas sem nenhuma assistência. Dali em diante a situação só piora, os judeus sofrem humilhações, são espancados e mortos sem nenhuma explicação, só pelo prazer nazista de acabar com os judeus, e por acreditarem que a raça judia tinha de ser exterminada. A família do pianista é levada para os campos de concentração, acreditando que estavam indo para trabalhar, Szpilman é ajudado por seu amigo soldado, que o tira da multidão. Ele então, começa a trabalhar em construções. O pianista consegue fugir do Gueto de Varsóvia, ajudado por uma cantora polonesa não judia, que era sua fã antes da guerra. A cantora e mais uns conhecidos decidem ajudá-lo, o escondendo, mas ele se vê obrigado a mudar várias vezes por causa dos ataques nazistas na região, que ameaçavam seus esconderijos. Em um dos esconderijos, ele conhece o capitão Wilm Hosenfeld, que decide ajudá-lo guardando o segredo de seu esconderijo e trazendo comida. Quando a Alemanha é invadida pela Rússia, os alemães tentam fugir, mas são pegos e levados para campos de concentração, agora com os russos. Por fim, o capitão Wilm Hosenfeld, que havia ajudado o pianista, também é levado para os campos de concentração, ele pede a um judeu que avise Szpilman que ele foi pego, e pede ajuda (o filme não mostra se ele ganhou ajuda do pianista, mas acredito que sim). Szpilman volta a tocar piano e fazer sucesso como antes.

Vou deixar aqui em baixo o trailer do filme para vocês darem uma olhada e ficarem com vontade de assistir. É um filme muito bom, e também ajuda a entender o que deu início aos campos de concentração, e como as famílias judias sofreram com os nazistas.


2 comentários:

Erzsébet Bathory on 29 de junho de 2013 02:11 disse...

Acredito que o efeito que o filme nos causa é mérito de Roman Polanski e Adrien Brody eles conseguiram o drama da história e dos personagens, a maneira com que Adrien se expressa atinge a sensibilidade de quem o vê atuando, sente o tensão desse período conturbado. O ator transmite com um simples olhar todo o sentimento do pianista. É um filme impactante.

Priscila Kuller Clemente on 29 de junho de 2013 11:38 disse...

Sim, conseguimos sentir por meio das expressões do ator como era difícil para eles, todo o sofrimento e a humilhação que os judeus sofreram, sem ao certo entenderem o por quê de serem tão odiados. É um filme incrível, que com certeza não deve ser visto apenas uma vez.

Postar um comentário

 

Diário nada particular Copyright © 2012 Design by Antonia Sundrani Vinte e poucos